Triste notícia – Sad news

No dia 7 de Agosto, nossa casa em Melbourne foi invadida e a maioria dos nossos pertences foram roubados. Nossos laptops, a câmera e todo o equipamento, além de todas as nossas fotos. Ainda estamos tentando nos recuperar do susto e da dor no coração. Encontramos consolo no fato de que nada aconteceu conosco ou com outras pessoas da vizinhança.

Não conseguimos decidir se continuaremos com blog, pois o nosso foco maior sempre foi a fotografia. Estamos em fase de luto pelas fotos perdidas. Foram 4 meses de viagem, mais muitas fotos pessoais e de muito valor sentimental, que desapareceram com os nossos laptops. É extremamente penoso escrever este post e ter de encarar o fato de que tanto trabalho, esforço e amor nos foram roubados. Os computadores, a câmera, o equipamento, o dinheiro, tudo isso é material e pode ser substituído. Nós sempre trabalhamos muito para conseguir comprar nosso equipamento, e agora trabalharemos em dobro para recuperar o que nos foi tirado. Mas as fotos jamais poderão ser substituídas.

Estamos passando por um período de adaptação à nossa nova realidade despida de fotos.

Obrigada pelo carinho e pela atenção!

E não importa o que aconteça, um brinde! Um brinde à saúde, ao trabalho e ao futuro.

On August 7th,  our house in Melbourne was broken into and most of our belongings were stolen. Our laptops, camera and all the equipment, and on top of it all, our photos. We are still trying to recover from the shock and the heartache. We find solace in the fact that nothing happened to us or others in the neighborhood.

We cannot decide at this point if we will carry on with our blog since our main focus has always been photography. We are grieving over our lost photos. Four months of travel photos, plus many personal ones with lots of sentimental value, have disappeared with our laptops. Writing this post is extremely distressing because we have to face the fact that lots of work, effort and love have been taken away from us. The computers, camera, equipment, money, all of that is material and can be replaced. We have always worked very hard to be able to buy all that and now we will work twice as hard to replace what has been stolen. But the photos can never be replaced.

We are going through a period of adaptation to our new photoless reality.

Thank you for the love and attention!

And come what may, a toast! Cheers to health, work and the future.

Anúncios

Hai Phong

Hai Phong – Lar longe de casa

Em memória de Pham Quốc Chinh – 1949 – 2012
Como começar um post sobre Hai Phong? Eu acho que tudo começou há cerca de 3 anos em São Paulo. O  Joel e eu estávamos trabalhando em um albergue e conhecemos o Jimmy. Nós nos tornamos amigos imediatamente. Jimmy é um cara incrível. Seus pais são vietnamitas, mas ele nasceu nos EUA. Ele é ótimo com línguas e é o tipo de pessoa que está sempre pronta para ajudar todo mundo. Ele morava e trabalhava no albergue também. Quando deixamos o albergue, ele veio ficar conosco na casa de praia, em Itanhaém. Nós nos divertimos à beça e compartilhamos momentos incríveis, boa comida, um nascer do sol. Ele conheceu a minha família e se tornou nosso irmão. Todos nós sentimos saudade dele e depois que ele foi embora, nós não nos reencontramos por anos. Quando decidimos ir para o Vietnã, demos um toque para ele pois sabíamos que ele tinha família lá. Para nossa surpresa, ele também estava planejando ir para o Vietnã por volta da mesma data. Poucas semanas antes de partir descobrimos que chegaríamos a Hanói com apenas uma hora de intervalo entre os nossos voos. Nossas malas estavam lado a lado e ouvimos alguém gritando nossos nomes. Lá estava Jimmy com seu pai, a caminho de Hai Phong. Que felicidade tê-lo encontrado lá e por ter podido ajudá-lo com todas as suas malas. Pegamos o número do celular do irmão dele para manter contato. Daí, quando decidimos que era hora de deixar Hanói, ligamos para ele e fomos para Hai Phong. Queríamos ficar em um hotel, mas a família dele não quis deixar. Eles nos ofereceram um quarto e fomos acolhidos por uma família que a gente nem sabia que tinha. Foi uma experiência inesquecível, do tipo que queríamos tanto ter.

Pegamos um trem na estação de trem Long Bien ($ 3) e depois de algumas horas chegamos lá. Seu tio prontamente pegou minha mochila e me levou para a casa de um amigo da família, o que no Vietnã significa família. Nos demos conta de que o termo família tem um significado mais abrangente no Vietnã. Fomos recebidos pelo tio Bich tio e tia Thoa. Eles cuidaram tão bem da gente! O Vietnã me lembrou muito do Brasil e esta experiência de família apenas comprovou o quanto esses dois lugares extremamente diferentes são tão parecidos mesmo sendo tão longe um do outro. Eles nos trataram como parte da família. Mais sorte do que isso, impossível. O que aconteceu nos próximos dias superou as nossas expectativas e foi uma experiência verdadeiramente vietnamita, o que todo e qualquer viajante procura. Era logo depois do Ano Novo Chinês e as celebrações ainda continuavam. A família era budista e as orações, oferendas e queimas prosseguiam. Eles colocaram uma esteira de bambu bem grande no chão da sala e posicionaram cuidadosamente vários pratos de comida com incenso e começaram a entoar cânticos. Foi uma experiência mágica de outro mundo. Assim que o incenso queima-se por completo, o que significa que a refeição é servida aos antepassados no plano espiritual, a festa começa. Mas somente após a queima de vários objetos fictícios que também se elevam aos céus com sua fumaça. É assim que eles enviam aos seus familiares falecidos todas as coisas de que eles necessitam no além, incluindo dinheiro falso, carros, casas, roupas etc. Em troca, eles cuidam de você.

Foram servidos arroz, frango cozido, bánh trung thu (ou torta da lua), batata cozida e frita, caracóis, ovos e muito mais. A comida estava deliciosa e eles continuaram oferecendo-nos mais e mais. No Vietnã é considerado muito respeitoso escolher um bom pedaço de carne, frango ou outro alimento na mesa e colocá-lo no prato de alguém. Eles continuavam adicionando comida aos nossos pratos e nós aprendemos a fazer o mesmo.

Eles nos paparicaram demais. Cervejas no café da manhã, chá de gengibre, e qualquer outra coisa que  ousávamos mencionar que nos agradava, estava disponível dentro de minutos. Eles também nos fizeram experimentar algo que é difícil de descrever, mas acho que todos deveriam provar: Trứng vịt lộn, ou seja, ovo de pato fecundado. É um ovo de pato cozido ao vapor, com o feto já formado dentro. Neste caso, descascado e servido em uma tigela com sal, pimenta e gengibre ralado como acompanhamento. O sabor é amargo, mas combina muito bem com o sal, a pimenta e o gengibre. Se você é uma pessoa que tem dificuldade em comer alimentos que não são atraentes visualmente ,  terá que fazer um esforço danado para comer um ovo de pato fecundado, mas eu recomendo que você experimente. Eles nunca deixaram-nos pagar nenhuma conta ou comprar o que quer que fosse para levar para casa. Fomos tratados como família. Eles foram muito pacientes conosco e nos ensinaram um pouco de vietnamita. Levaram-nos para vários templos e ficaram muito contentes em nos explicar tudo o que queríamos saber sobre a cultura, história e tudo mais. Uma das tias do nosso amigo convidou-nos para ir a um restaurante uma noite. Eles reservaram uma sala separada e mais membros da família se juntaram a nós. Comemos frango frito e milho, sopa, legumes, tanta comida! Tomamos doses de Rượu cần, ou “vinho de arroz” – que na verdade é mais parecido com vodka. No final, falamos para o nosso amigo dar uma escapadinha e pagar a conta. A tia descobriu o que estávamos fazendo quando ela foi lá fora, para pagar. Ela deu o dinheiro de volta para o Jimmy, e não aceitou um não como resposta. Eles ignoraram todas as nossas explicações sobre por que ficaríamos muito felizes em pagar a conta pelo menos uma vez, mas a resposta era sempre “impossível”. Eles trabalharam duro para serem capazes de bancar este tipo de situação, disseram. Família cuida da família. Nunca pensamos que poderíamos encontrar membros de uma  família que nem sabíamos que tínhamos no exterior. Mas é isso o que acontece quando você viaja. E sentimo-nos sortudos e felizes por ter encontrado pessoas tão incríveis.

Hai Phong – Home away from home

In memory of Phạm Quốc Chính – 1949 – 2012

How to start a post about Hai Phong? I guess it all started about 3 years ago in São Paulo, Brazil. Joel and I were working at a hostel there and we met Jimmy. We became friends right away. Jimmy is an awesome dude. His parents are Vietnamese, but he was born in the US. He is really good with languages and is the kind of person who is always ready to help everyone. He was living and working at the hostel as well. When we quit, he came to stay with us at the beach house, in Itanhaém. We had a blast there and shared good times, good food, a sunrise. He got to know my family and became our brother. We all missed him when he left and we didn’t meet again for years. When we decided to go to Viet Nam, we hit him up because we knew he had family there. To our surprise, he was also planning to go to Viet Nam around the same time and a few weeks before we left we found out we were getting to Hanoi only an hour apart. Our bags were right next to each other at the baggage pick up and we heard someone shouting our names. He was there with his father, on his way to Hai Phong and we were so glad to have met him there and being able to help him out with all of his bags. We got his brother’s phone number and kept in touch. So when we decided it was time to leave Hanoi, we let him know and went to Hai Phong to see him. We were going to stay at a hotel, but his family wouldn’t let us. They offered us a room in their house and we found ourselves being welcomed into a family we didn’t know we had. It was an unforgettable experience, the one we were hoping to have.

We got a train from the Long Bien train station ($3) and after a few hours we were there.  His uncle promptly picked up my bag and took me to a friend of the family’s house, which in Vietnam means family. We got to realize that family had a bigger meaning in Vietnam. We were welcomed by uncle Bich and aunt Thoa. They took such good care of us! Vietnam reminded me a lot of Brazil and this family experience did nothing but prove how these two extremely different places are so close even being so far away. They treated us as part of their family. We couldn’t feel any luckier. What happened in the next days exceeded our expectations and was a truly Vietnamese experience, the type of thing any traveler seeks. It was right after the Chinese New Year and celebrations were still going on.  It was a Buddhist household and there were prayers, offers and burnings going on. They laid down a big bamboo mat on the living room floor and placed several plates of food with incense and started chanting. It was a magic out-of-this-world experience. Once the incense burns out, which means the meal is served to your ancestors in the afterlife, the feast begins. But not before the burning of several mock objects that also rise to the skies with their smoke. That’s how they send their deceased family members all the things they would need in the spiritual world, including fake money, cars, houses, clothes. In return, they watch over you.

There was rice, boiled chicken, moon cakes, potatoes, snails, eggs and much more.  The food was delicious and they kept on offering us more and more. In Vietnam it is considered very respectful to choose a nice piece of chicken, beef or another food on the table and put it on someone else’s plate. They kept on adding things to our plate and we learned to do the same.

They took amazing care of us. Beers for breakfast, ginger tea and anything we would mention we liked would be available within minutes. They also had us experience something that is hard to describe, but something that I think everyone should try: Trứng vịt lộn, meaning fertilized duck egg.  It’s a fertilized duck embryo that is boiled in the shell, and in this case, peeled and served in a bowl with a side of salt, chilies and grated ginger.  The taste is bitter but mixes so well with the chili, salt and ginger. If you are a person that has trouble eating food that isn’t visually appealing, you will have to work hard to eat a fertilized duck egg, but I recommend that you do. They never let us pay any bills or buy anything to bring home. We were treated like family. They were really patient with us and taught us some Vietnamese. They took us to several temples and were excited to explain whatever it is we wanted to know more about. One of our friend’s aunts invited us to a restaurant one night. They reserved a separate room and more family members joined us. We had fried chicken and corn, soup, vegetables, so much food!!! We did shots of Rượu cần, or “rice wine” – which is actually more like vodka. Towards the end, we told our friend to sneak out and pay the bill. His aunt found out what we were up to when she went out there to pay and gave him the money back. She wouldn’t take no for an answer. They ignored our explanations on why it would make us really happy to pay the bill at least once, but the answer was always “impossible”. They worked hard to be able to afford this kind of situation, they said. Family takes care of family.  We would have never thought we could meet family members we didn’t know we had overseas. But that’s what happens when you travel.  And we feel lucky and happy to have met such amazing people.

Hanoi Chicken Street

Hanói/Hanoi

Hanói

Então, finalmente chegamos a Hanói. Este post está 3 semanas atrasado e pedimos desculpa. Estávamos ocupados, sabe, viajando e bebendo. Mas para ser realmente honesta aqui, eu tive sentimentos mistos sobre o lugar então levou um tempo para que eu ficasse a fim de escrever sobre ele. Eu tive que digeri-lo. Agora sente, relaxe e abra uma garrafa ou lata de uma boa cerveja e vamos nessa. Escrevo em um hotel barato perto da estação de ônibus de Da Nang, tomando uma Bière Larue, mas logo chegaremos aqui. As prioridades em primeiro lugar. Hanói é a bola da vez.

Deixamos Nova York depois de 2 semanas de comilança e bebedeira e de curtir a nossa família ao máximo. Decidimos pegar o trem para o aeroporto e tínhamos opções para economizar. De Manhattan dá para pegar um táxi por 50 dólares, um trem na Penn Station por 14 ou metrô e trem por 7. Como somos mãos de vaca, optamos pela última alternativa. Após uma frenética arrumação de malas de último segundo, partimos temendo perder o voo. Clássico. Pegamos o trem J em Washington Square em direção a Howard Beach (2.25 dólares) e depois o Airtrain por 5 dólares. Fácil, rápido e barato. Embarcamos num voo da Aeroflot em direção a Moscou, onde tivemos uma parada de 8 horas. Moscou é uma das cidades mais caras do mundo e mesmo assim descolamos um chope de Сибирской Короне (Coroa Siberiana) por 120 rublos, ou 4 dólares, e por se tratar de um aeroporto, achamos que não foi tão caro assim. Depois de tentar aprender a dizer por favor e obrigad@ em russo, partimos em direção a Hanói. Ou Hà Nội.

Chegamos exaustos, famintos e de olhos bem abertos. Iniciamos nossa saga para encontrar o ônibus para a estação de Long Bien, para onde a nossa couchsurfer nos disse para ir. Ela nos disse também que a passagem deveria custar 5.000 Dongs, ou mais ou menos 0,25 dólares. Daí começou. O que nos demos conta de que iria acontecer durante toda a nossa estadia no Vietnã (e provavelmente em boa parte do sudoeste asiático) acabara de tomar forma: pessoas tentando nos passar a perna e cobrar 100000x mais do que o preço normal. Mas estávamos prontos! Somos viajantes de carteirinha! Pelo menos era o que pensávamos. Nos disseram  que não tinha nenhum ônibus número 17 e que teríamos que pegar um táxi ou ônibus turístico por 15 dólares. Ah, tá. Cansados e frustrados, batemos o pé e dissemos não e fomos à procura do bom e justo ônibus 17. Depois de falar com umas 5 pessoas e andar de lá pra cá por uns 40 minutos, encontramos! Tivemos que atravessar uma passarela e o 17 estava lá, escondidinho, longe dos turistas. Éramos os únicos estrangeiros no ônibus. Estávamos felizes!

O Vietnã é um país louco. No bom sentido. Assim que o motorista pisou no acelerador, fomos engolidos por um turbilhão frenético e aventuresco. Ele dirigiu em alta velocidade, virando e deixando os passageiros embarcarem sem pisar no freio uma vez sequer e deixando eles desembarcarem da mesma maneira e gritando e sendo maluco. As janelas estavam cobertas de poeira e quando olhávamos para fora era difícil dizer se estávamos sonhando ou se era realidade. Estávamos realmente ali? Rapidamente nos demos conta dos campos de arroz e velhinhas usando o chapéu vietnamita e pessoas guiando bicicletas e motos carregando famílias de 4 ou 5 usando máscaras. Tudo parecia surreal e insano. Que sentimento bom.

Quando descemos na estação de Long Bien, tivemos que pegar um táxi. Nossa host morava do outro lado do Rio Vermelho. Para a nossa surpresa, conseguimos uma tarifa justa no táxi, mas o nosso motorista estava gargalhando sem nenhum pudor da nossa cara falando coisas em vietnamita que achamos que poderia ter sido mais ou menos: vocês têm idéia de onde estão? Não tem nenhum hotel aqui! Rimos de volta, falamos tchau e nos perdemos. Era um labirinto de ruelas e demos voltas nele como retardados. Era difícil de compreender. Nem mesmo os nativos conseguiam nos dizer onde ficava a casa dela. Chegamos lá e fomos acolhidos por uma vietnamita e pelo seu namorado Americano. Mais tarde fomos a um encontro de couchsurfers no Old Quarter e estávamos completamente bêbados de cansaço. Depois do encontro, insistimos que precisávamos de pho. Era quase 1 da manhã e os estabelecimentos estavam fechando. Compramos um pão ao vapor com carne de porco e ovo de codorna dentro. Era tão fofo e quentinho que eu queria dormir nele. Encontramos uma senhora simpática sentada na esquina de um beco e compramos uma tigela de pho. Eu então dei início ao  processo de agir como uma besta e mordi um pedação de pimenta que estava tão forte e ardida que eu tive que cuspir. Era tarde demais. Minha língua estava em brasa e minha cara pegando fogo. Eu achei que iria morrer. Eu não tinha intenção nenhuma de mascarar meu sofrimento e fingir que estava tudo bem. Todo mundo percebeu. Minha boca aguou mas eu consegui me controlar e não vomitar. No final eu estava rindo e meu nariz estava escorrendo. Eu estava totalmente acordada!

Os outros 4 dias foram um tanto estranhos. Estávamos com um jetlag danado, dormindo mal e estava fazendo frio e chovendo. Atravessar a rua em Hanoi faz com que você quase cague nas calças. E também faz com que você se sinta vivo e com uma nova perspectiva sobre a vida quando se chega ao outro lado. Você poderia ter morrido 15 vezes em 30 segundos, mas não morreu e precisa de uma cerveja. Bia é cerveja em vietnamita. E Bia Ha Noi tornou-se arroz e feijão durante a nossa estadia. Leve mas saborosa. Halida era muito similar, marcante e refrescante. Todas as cervejas que experimentamos até agora têm um perfil de sabor muito parecido. Aqui bebem-se as lagers e este foi o estilo de cerveja que encontramos até agora.

O nosso lugar favorito foi a rua do frango. É uma ruazinha onde, você adivinhou, vende-se frango. Mas não do tipo com o qual você está acostumado. É um circo de horrores granjeiro incrivelmente delicioso. Pés, vísceras, asinha e coxa. Infelizmente, não tinha coração… Que pena… Churrasquinho de tudo de frango! E é super barato. O nome real da rua é Pho Ly Van Phuc e se você não prestar atenção é fácil passar por ela sem perceber. Se você nunca esteve num país de terceiro mundo, as violações do código de saúde e sanitário podem fazer com que você dê meia volta, mas não seja tímid@. Sente-se a proveite. A nossa barraquinha favorita foi a última do lado direito. Menores de idade com cigarros na boca vão churrasquear para você fodásticamente. Trarão também jacatupé fatiado com sal e pimenta vermelha, pepinos e espinafre de água em conserva. O melhor acompanhamento, a estrela do espetáculo, é sem nenhuma dúvida o pão na grelha. Tão doce e crocante que você vai se viciar. Não passamos mal depois de comer lá. Voltamos para comer mais! Atravessar a ponte de Long Bien a pé foi apavorante e divertido. É tão estreita e as placas de concreto não são fixas e por isso são instáveis. Tem uma ilha no meio do rio onde é contra a lei construir o que quer que seja, então as pessoas plantam bananas e verduras. Em cima da ilha, na ponte, tem vendedores de jaca e peixe vivo. É um espetáculo!

A comida em Hanói não foi das melhores. Na nossa opinião as pessoas nos pareceram rabugentas e amargas, mas pode ter sido por causa do clima. Mesmo assim econtramos um lugar com um pho delicioso. O nome é Pho Thin (13 Pho Lo Duc | Hai Ba Trung District, Hanoi, Vietnam) e eles têm uns panelões imensos de caldo. O lugar está sempre lotado de vietnamitas, então dá pra saber que é muito bom. Custa em torno de 35.000 dong (U$1,70). Pode ser que tenhamos pago o imposto do turista, mas não dá pra ter certeza. Eu acho que foi legítimo. Outro lugar para experimentar é o do arroz grudento, ou Xôi. Fomos no Xôi Yen (35B Nguyen Huu Huân), perto do Lago Hoan Kiem. Compramos um prato de arroz com milho e algo similar a polenta com porco assado com canela. Foi servido com pepino num molho de vinagre com chili. Some uma Bia Ha Noi e você terá uma refeição dos deuses. Coloque um pouco de molho de peixe e de pimenta a cada colherada para dar uma apimentada.
Em geral, Hanoi foi um bom lugar para se visitar, mas sabíamos que poderíamos encontrar coisa (e comida) melhor. Nós ficamos com uma couchsurfer por 4 dias lá e a acomodação foi tradicional vietnamita: cama de madeira com uma esteira de bambu. Por isso na última noite antes de irmos para Hai Phong nós decidimos ficar em um hotel para ter uma boa noite de sono. Devo confessar que Hanói foi um tanto decepcionante. A comida foi boa, mas não tão boa quanto esperávamos. O Old Quarter é uma loucura e cheio de gente, e pode-se encontrar uns americanos velhos, veteranos da guerra, explorando mocinhas vietnamitas. Eles as chamam de “dicionários de cabelo comprido”, o que eu acho muito degradante. Aposto que Hanói no verão é uma cidade diferente, e talvez eu até volte para conferir. O Vietnã é mais, bem mais do que apenas Hanói.
Hanoi
So we finally got to Hanoi. This post is almost 3 weeks overdue and we do apologize. We have been busy, you know, traveling and drunk. But to be really honest here, I had mixed feelings about the place, so it took me a while to feel like talking about it. I had to digest it. Now sit back, relax, crack open a bottle or can of good beer and let’s get down to it. As I write, I am sitting at a cheap hotel by the bus station in Da Nang, drinking a cold Biere Larue, but we will get to that soon. First things first, Hanoi.
We left New York after 2 weeks of eating and drinking and enjoying our family to the fullest. We decided to get the train to the airport and there are ways to save to get there. From Manhattan you can get a taxi for 50 bucks, a train at Penn Station for around 14 or the subway and a train for 7. Being the cheap bastards that we are, we got the last option. And after a frantic last second packing session, we left fearing we would miss our flight. Classic. We got the J train at Washington Square towards Howard Beach ($2.25) and then the Airtrain for $5. Easy, fast, cheap. We boarded an Aeroflot flight to Moscow, where we had an 8 hour layover. Moscow is one of the most expensive cities in the world, yet we were still able to find a delicious pint of Сибирской Короне (Siberian Crown) for 120 Russian Rubles, or $4, which we thought was not bad for an airport. After trying to learn how to say please and thank you in russian, we headed to Hanoi. Or Hà Nội.We arrived exhausted, hungry and eyes wide open. We began our saga to find the bus to Long Bien station, where our couchsurfer told us to go. She also told us the fare should be 5.000 Vietnamese Dong, or roughly $0.25. So it begins. What we came to realize would be happening during our whole stay in Vietnam (and probably a great part of SE Asia) had just taken place: people trying to dupe you and charge 100000x more than what things should be. But we were ready! We are travel savvy! Or so we thought. They told us there was no bus 17 and that we had to take a cab or tourist bus for 15 dollars. Yeah right. Tired and upset we stood firm and said no and initiated the search for the nice and fair bus 17. After talking to probably 5 people and walking around for around 40 minutes, we got it! We had to walk over a bridge and the 17 was hidden down there, away from all the tourists. We were the only foreigners on the bus. We were happy.

Vietnam is a crazy country. And we mean it in the best of ways. As soon as the bus driver hit the gas we were taken away in a frenetic adventure. He drove really fast, swerving and picking up passengers without ever hitting the breaks and letting people off the same way and yelling and being nuts. The windows were caked in dirt and when we looked outside it was hard to tell if we were dreaming or if it was reality. Were we really there? We quickly spotted rice fields, and old ladies wearing the Vietnamese hat and people riding bicycles and motorbikes carrying families of 4 to 5 wearing face masks. It all felt surreal and insane. It felt good.

When we got off at the Long Bien Station, we had to get a cab. Our host lived on the other side of the Red River. Surprisingly we got a good deal on our cab fare, but our driver was shamelessly cracking up at us and saying stuff in Vietnamese that we guessed might have gone along the lines of: do you even know where you’re at? There are no hotels here! We laughed back, waved goodbye and got lost. There was an alley maze and we were going around it like retards. It was hard to figure it out. Not even the locals could tell us where her house was. We made it and were welcomed by a Vietnamese girl and her American boyfriend. Later that night we went to a couchsurfing meeting in the Old Quarter and we were so royally out of it. After that, we insisted we needed pho. It was almost 1 in the morning and places were closing up. We got some steamed buns with pork and a quail egg in it and I wished I could sleep on it. We found a nice lady sitting on the corner of an alley and got a bowl of pho. I then proceeded to make a fool out of myself by biting down on a huge piece of chili that was so spicy I had to spit it out. It was too late. My tongue was burning and my face was on fire. I thought I was going to die. I had no intention of playing it off and being cool about it. Everyone knew I was suffering. My mouth watered but I managed not to puke. When it was all over, I was laughing with a runny nose. I was fully awake!

The next 4 days were quite weird. We were jetlagged, not sleeping a whole lot and it was cold and rainy. Crossing the streets in Hanoi almost makes you shit your pants. It also makes you feel alive and you have a new perspective on life when you get to the other side. You could have died 15 times in 30 seconds, but you are alive and you need a beer. Bia is beer in Vietnamese. And Bia Ha Noi became a staple during our stay. Light but flavorful. Halida was really similar, crisp and refreshing. All the beers we’ve had so far have a pretty similar taste profile. They drink mostly lagers here, and that’s all we’ve found so far.

Our favorite place was chicken street. It’s a little street where, you guessed it, they sell chicken. But not the kind you are used to. It’s an amazingly tasty chicken freak show. Feet, innards, wings and thighs. No hearts though… Bummer… Barbecued chicken everything!! And it’s cheap. The street is actually called Pho Ly Van Phuc and you might easily miss it if you are not paying attention. If you have not been to a 3rd world country before, the health code violations may steer you off, but don’t be shy. Sit down and enjoy. Our favorite place was the last one on the right. Underage kids smoking cigs will barbecue your chicken like badasses. They will also bring sliced jicama with a side of chili salt, cucumbers and pickled morning glory. But the star side dish is definitely the pressed bbq bread. It’s sweet and crispy and you will be addicted. We did not get sick from eating there. We came back for more!

Crossing the Long Bien bridge by foot was scary and fun. It’s so narrow and the concrete plates are not well positioned so they are wobbly. There is an island in the middle of the river where it is outlawed to build anything, so people grow bananas and leafy greens. Right by it, on the bridge, people sell jack fruit and live fish. It’s quite a sight!

Hanoi food is not the best. We found people there to be grumpy and bitter, but maybe it was just the weather. We did find a nice pho place and it was incredible. It was called Pho Thin (13 Pho Lo Duc | Hai Ba Trung District, Hanoi, Vietnam) and they have huge pots of broth. The place is packed with locals, so you know it’s good. It costs about 35.000 dong ($1,70). We may or may not have paid tourist tax on that. I think it was legit. Another place to try is the sticky rice place, or Xôi. We went to a place called Xôi Yen (35B Nguyen Huu Huân), not far from the Hoan Kiem lake. We got one with corn and something similar to polenta served with cinnamon braised pork. It was served with a side of quick pickled cucumber in a chili sauce. Add a Bia Ha Noi to that and you’ve got yourself a delicious meal. Add some fish sauce and chili sauce to every bite for an extra kick.
Overall, Hanoi was a good place but we knew that we could find better food. We couchsurfed for 4 days there and had traditional Vietnamese accommodations: a hard bed with a bamboo mat. So on our last night before heading to Hai Phong we decided to stay at a hotel for a good night’s sleep. I had to confess that Hanoi was a bit disappointing. The food was good, but not as good as I would have expected it to be. The old quarter was busy and crazy, and you could find some old American war vets exploiting young Vietnamese girls. They would call them, fondly, their “long hair dictionaries”, which I find quite degrading. I bet Hanoi in summertime is a different city, and I just might go back and check it out, for the fun of it. Vietnam is way, way more than just Hanoi. 
 
 

Hanoi Teaser

Aqui vai um gostinho de Hanoi. A little taste of Hanoi.

Passagens aéreas/Flights

Passagens aéreas

Ah, o incrível milagre de voar… Estar entre as nuvens e ver cidades, países, continentes em algumas horas de voo. Passar por sobre uma cidade conhecida e imaginar o que os amigos estão fazendo, que eles nem têm idéia de que você está lá em cima, pensando neles. Recordar momentos em países estrangeiros (ou imaginá-los) e pensar que uma distância percorrida anteriormente por via terrestre levou três meses e agora fica para trás em algumas poucas horas. E tem gente que ainda reclama das horas de espera, da poltrona desconfortável e se esquece que são extremamente privilegiadas em participar do antes inimaginável dom de voar. E nem estão contribuindo fisicamente para isso. Palavras sábias do grande Louis CK.

http://www.youtube.com/watch?v=-LkusicUL2s

Passagens aéreas têm ficado cada vez mais baratas. No Brasil ainda é complicado encontrar uma passagem com preço razoável tomando em conta o poder aquisitivo das pessoas. Conheço mais a Europa do que o meu próprio país, infelizmente. Isso acontece também nos Estados Unidos, em menor escala. Às vezes uma passagem de Denver a Nova York pode custar mais de U$500 ida e volta. Dá para ir para a Europa por esse preço!

Nos nossos anos de viagem, descobrimos maneiras para encontrar passagens que cabiam no nosso orçamento. E nosso orçamento é sempre escasso. Por exemplo, quando partimos para a nossa última viagem à Europa, tínhamos U$4000 na nossa conta bancária, para os dois, sem passagem de volta. Em 4 meses gastamos apenas U$2000 e ainda compramos a nossa passagem para o Brasil por U$1500 (ida, para os dois) pois tivemos que voltar com urgência. Fomos de Budapeste a Frankfurt, Frankfurt para Salvador e Salvador para São Paulo. Ainda acho que U$750 por pessoa é muito, mas não tivemos muito tempo para agendar as passagens com antecedência. Acontece.

E por falar nisso, é muito difícil prever se sai mais barato comprar com antecedência ou em cima da hora. O maior segredo que tenho para compartilhar é muita paciência e flexibilidade.

Companhias low cost são a melhor alternativa se você não tem muito dinheiro, mas sempre vale a pena checar os sites de companhias grandes pois é possível encontrar promoções e descontos.

Além de paciência e tempo, procurar passagens de madrugada é um outro truque. Principalmente da meia-noite às 4 da manhã de terça a quinta-feira. É quando as pessoas que têm um trabalho “normal” estão dormindo e os agentes de viagem não estão online. Alguns sites como www.decolar.com.br, www.kayak.com, www.cheaptickets.com, www.onetravel.com, www.travelzoo.com et al. tentam vender as passagens com um preço mais baixo. Usamos esse esquema para comprar nossa passagem de São Paulo para Nova York por U$300 (somente ida, Aeromexico). Durante o dia a mesma passagem estava U$700. Amigos insones, esta é para vocês! Ah, e sempre limpem o seu cache antes de fazer uma nova pesquisa.

Mais uma dica: geografia. Sempre compare preços de/para destinos próximos ao destino final ou múltiplos destinos. Passei dias planejando a nossa viagem do Sudoeste Asiático para a Europa (nosso destino final seria Budapeste). Como passagens de trem/ônibus/avião (ou carona) são super baratas nos dois continentes, não importa de onde/para onde voamos. Usando o mesmo esquema da passagem de madrugada e criatividade geográfica, encontrei passagens de Kuala Lumpur, na Malásia, para Istanbul, Turquia, por U$475 por pessoa. Vejam só o roteiro: Kuala Lumpur para Colombo, Sri Lanka (voando AirAsia X), Colombo para Istanbul, com parada em Dubai por 10 horas (voando FlyDubai). E o preço final inclui os vistos para Sri Lanka (antigo Ceilão), Emirados Árabes e Turquia (para americanos). A AirAsia também oferece voos para Londres e Paris. LOT (Polônia) oferece voos do Vietnã para vários destinos na Europa por um preço razoável. AirBerlin é uma ótima pedida também. Qatar Airways é provavelmente a melhor opção custo/benefício a partir da Europa para a Ásia (e passagens só de ida da Ásia para São Paulo custam em torno de U$800-U$900). Mas todas as passagens estavam acima dos U$600. E se sua paixão é viajar, conhecer 2 ou 3 países a mais em escalas é sempre uma boa!

No final, decidimos comprar uma passagem de Kuala Lumpur para Melbourne, na Austrália, por U$155.

Por incrível que pareça, é possível encontrar cruzeiros mais baratos do que passagens aéreas, se seu destino for do outro lado do Atlântico. No próximo post falaremos sobre duas travessias transatlânticas: Europa – Brasil e Caribe – Europa.

Enquanto isso, compartilhe conosco as suas dicas nos comentários!

Companhias aéreas de baixo custo:

http://www.webjet.com.br

http://www.voeazul.com.br

http://www.voegol.com.br

www.jetblue.com

www.airtran.com

www.southwest.com

www.frontier.com

www.airasia.com

www.tigerairways.com

www.jetstar.com

www.flydubai.com

www.aerlingus.com

www.ryanair.com

www.wizzair.com

www.easyjet.com

www.lot.com

www.aeroflot.com/cms/en

www.airberlin.com

www.germanwings.com

Fly

Flights

Oh, the incredible miracle of flying… Being in between the clouds and seeing cities, countries, continents in a few hours of flight. Hover above a known city and imagine what your friends are doing and that they have no idea you are up there, thinking of them. Remember (or imagine) moments in a foreign country and think that the distance you once traveled by land took 3 months and now it’s gone in a matter of hours. And there are still people that complain about the waiting time, the uncomfortable seats and forget they are extremely priviledged to be a part of the once unthinkable gift of flying. They are not even contributing physically to it! These are the words of wisdom of the great Louis CK.

http://www.youtube.com/watch?v=-LkusicUL2s

Tickets have been getting cheaper and cheaper. It’s still hard to find a reasonably priced flight in Brazil, if you consider how much money people make over there. I know Europe better than my own country, unfortunately. And the same happens in the US. Sometimes a flight between Denver and New York can cost U$500 or more for a return ticket. You can go to Europe for that price!

In our years of travel we found different ways to find tickets that would fit our budget. And our budget is always scarce . For example, when we left for our last trip to Europe, we had U$4,000 in our bank account, for the both of us, with no ticket back. In 4 months we spent U$2,000 and bought our tickets to Brazil for U$1,500 (one way, for the both of us) because we had to go back urgently. We went from Budapest to Frankfurt, Frankfurt to Salvador and Salvador to Sao Paulo. I still think that U$750 per person is too much, but we didn’t have time to buy our tickets in advance. It happens.

And speaking of which, it’s really hard to predict if it’s cheaper to book in advance or buy last minute. The biggest word of advice I can give is have lots of patience and be flexible.

Low cost companies are the best alternative if you don’t have much money, but it always pays off to check big airline’s websites because it’s possible you may find promotions and discounts.

Besides patience and time, looking for tickets in the middle of the night is another trick. Specially between 12am and 4am from Tuesday through Thursday. Usually people with “normal” jobs are sleeping and travel agents are not online. Sites like www.decolar.com.br, www.kayak.com, www.cheaptickets.com, www.onetravel.com, www.travelzoo.com et al. try to sell flights at a lower price at that time. We used this technique to buy or tickets from Sao Paulo to NYC for U$300 (one way, Aeromexico). During the day the same ticket was U$700. Wakeful friends, this one is for you! Oh, and don’t forget to clean your cache before searching again.

Another tip: know your geography. Always compare prices from/to places close to your final destination or search multiple cities. I spent a few days planning our trip from SE Asia to Europe (final destination Budapest). As train/bus/flights (and hitchhiking) are ridiculously cheap on both continents, it doesn’t really matter where from/to we fly. Using the middle-of-the-night technique and geographic creativity I found tickets from Kuala Lumpur, Malaysia, to Istanbul, Turkey, for U$475 per person. Check out the route: Kuala Lumpur to Colombo, Sri Lanka (flying AirAsia X), Colombo to Istanbul, with a 10 hour layover in Dubai (flying FlyDubai). And the total includes visas to Sri Lanka (former Ceylon) and Turkey. AirAsia also offer flights to London and Paris. LOT (Poland) offers flights from Vietnam to Europe at a reasonable fare. AirBerlin is a great option as well. Qatar Airways is probably the best cost-benefit from Europe to Asia (and one way flights from Asia to Sao Paulo are around U$800-900). But all the other tickets from the above mentioned companies were over U$600. And if traveling is your passion, getting to know an extra 2 or 3 countries on your way is a plus.

At the end, we decided to get a ticket from Kuala Lumpur, Malaysia to Melbourne, Australia, for U$155 per person.

It may sound crazy, but you can find cruises cheaper than flights if your destination is accross the Atlantic. On our next post we will talk about 2 transatlantic crossings: Europe – Brazil and Caribbean – Europe.

Meanwhile please share your own tips by leaving a comment on this page!

Low cost airlines:

www.webjet.com.br

www.voeazul.com.br

www.voegol.com.br

www.jetblue.com

www.airtran.com

www.southwest.com

www.frontier.com

www.airasia.com

www.tigerairways.com

www.jetstar.com

www.flydubai.com

www.aerlingus.com

www.ryanair.com

www.wizzair.com

www.easyjet.com

www.lot.com

http://www.aeroflot.com/cms/en

www.airberlin.com

www.germanwings.com

Passagens/Tickets

Aquivo pessoal/Personal archive all rights reserved

Rocky Mountain National Park

 

Comprar passagens para uma viagem intercontinental é sempre um desafio. Ainda mais quando o dinheiro é pouco. Para encontrar o meio mais barato de se chegar de um ponto a outro beira a  arte. Tentamos várias vezes procurar a ajuda de um agente de viagens e sempre conseguimos encontrar uma passagem mais barata por conta própria. Já viajamos de diversas maneiras: carro, avião, cruzeiro, carona, bicicleta, caminhão, caminhão de leite, a pé, de trem, ônibus, lambreta etc. Podemos dizer que vale a pena procurar um agente de viagens no caso de um cruzeiro, pois às vezes eles conseguem tarifas especias, mas SEMPRE compare preços e faça a sua própria pesquisa.

Aqui vão algumas dicas:

Carro: eu não dirijo e nós não temos carro próprio. Se você quer ser um viajante, isso é uma das coisas de que vale a pena abrir mão. Nunca alugamos um carro. A dica: Carpooling é um movimento que vem crescendo ao poucos no Brasil – mas não vejo muito disso nos EUA. Na Europa funciona muito bem e por experiência própria podemos dizer que é uma forma muito boa de se viajar. Além de ser mais barato, você faz amigos e preserva o meio ambiente ao mesmo tempo. Funciona assim, você coloca o anúncio de um trajeto em um site ou mural e partilha o preço da gasolina e pedágio com pessoas que querem ir ao mesmo lugar que você. Uma vez em Paris descolamos uma carona para o aeroporto de Beauvais para os nossos amigos por 4 Euros por pessoa. A tarifa normal é 15 euros por pessoa. E muita atenção ao ir para este aeroporto. Os ônibus só estão disponíveis de acordo com o horário do seu vôo (geralmente 3 horas antes do horário de partida), então não se esqueça de se informar. Uma vez perdi meu ônibus – e quase perdi meu voo –  e tive que pagar 40 euros por um táxi, que dividi com outras 2 pessoas (tive sorte pois pagar 120 euros só em taxi não é uma opção). Voltando ao assunto, dividir uma carona por dinheiro é uma ótima idéia. O melhor site que conheço é o site francês www.covoiturage.fr e é o úninco que a gente usou até hoje.

Em breve: passagens aéreas

Arquivo pessoal/Personal archive all rights reserved

La Valetta - Malta

 

Arquivo pessoal/Personal archive

Czech Republic

 

Buying tickets for an intercontinental trip is always a challenge. Especially when the budget is low. To find the cheapest way to get from one point to the other borders art. We tried several times looking for the help of a travel agent but we have always found better tickets by ourselves. We have traveled in different ways: car, plane, cruise, hitchhike, bike, truck, milk truck, by foot, by train, by bus, scooter etc. We can say though that if you want to go on a cruise, it is worth using a travel agent because they sometimes get special deals, but ALWAYS compare prices and do your own research.

Here are some tips:

Car: I don’t drive and we don’t own a car. If you wish to be a traveler not owning a car is an advantage. I know that is really hard to do in the US, but it is possible. We have never rented a car either. The tip: Carpooling. It’s a movement that has been slowly growing in Brazil and I don’t see much of it in the US. In Europe it works great and we can say by experience that it’s a great way to travel. It’s cheaper, you make friends and save the environment at the same time. This is how it goes: you post a destination on a website or bulletin board and share the price of gas and tolls with people that have the same stopping-place as you. Once we scored a ride for our friends in Paris to the Beauvais airport for 4 euros per person. Usually you pay 15 euros pp. And beware when going to this airport. Buses are available according to your flight time only (often 3 hours prior to your departure), so getting informed is a must. Once I missed the bus and almost missed my flight. I ended up paying 40 euros for a cab that I shared with 2 other people (I was lucky, paying 120 euros is not an option). Coming back to the subject, carpooling is a great idea. The best website we know is www.covoiturage.fr and it is also the only one we’ve used so far.

Coming soon: flights

Brinde/Cheers

Nossa cerva/ our homebrew

O que as pessoas procuram num blog de viagens? Hospedagens, onde fazer compras (shopping centers), preço dos ônibus turísticos no estilo hop-on-hop-off. Bom, meu amigo, você veio ao lugar errado. Podemos falar sobre como descolar uma passagem barata, como pegar carona, onde encontrar a melhor cerveja (ou como fazer a sua própria cerveja) e como aproveitar a vida ao máximo. Mas, por favor, não conte com um guia de viagens. Nós odiamos guias de viagens pra caralho. Não somos turistas e se você for um deles, não se incomode em ler adiante. Você provavelmente vai ficar puto(a) com a gente e ninguém quer que isso aconteça. Este é um lugar para viajantes, bebedores, comilões e afins. Usaremos o couchsurfing na maior parte do tempo, se não o tempo todo. Apesar de amarmos história, evitaremos como praga lugares turísticuzinhos. Quando viajamos, procuramos pessoas ao invés de lugares. Um país estrangeiro não é nada sem o seu povo, sem a sua cultura. E sejamos honestos, vai, é impossível conhecer um lugar em uma semana de férias ficando num hotel e indo ao pub irlandês mais seguro e mais pertinho que você encontrar. Na minha opinião, corra de tais lugares o mais rápido possível. A não ser que você esteja na Irlanda, porque daí faz todo sentido.

Nosso ano começou com uma grande mudança. Deixamos nosso lugarzinho em Denver e estamos visitando nossa família nos arredores antes de iniciar nossa nova aventura. Não é a primeira vez, para nenhum de nós dois, que arrumamos as malas e pegamos a estrada. E como em tantas outras vezes, partimos sem um plano certo e não temos um lugar para onde voltar. Nossos parcos pertences estão espalhados entre o Brasil, EUA, França e Hungria, com amigos e família (e amigos que são família) extremamente legais que concordaram muito cordialmente em armazená-los para gente.

O inevitável choque de adrenalina toma conta e podemos senti-la no ar. Parece até palpável. Desta vez partimos em direção a um continente desconhecido para ambos. Vamos de Nova York para Hanoi, no Vietnã. Ásia (e o Sudoeste Asiático) é o inconnu e mal podemos esperar para comer e beber o nosso destino.

Não acreditamos em vida após a morte, então aproveitamos ao máximo a vida que temos. Em outras palavras, acreditamos na vida antes da morte.

Um brinde!

Os Cerviajantes

 ______________________________________________________

What do you look for in a travel blog? Places to stay, where to shop, ticket prices to the hop-on-hop-off bus. Well, my friend, you’ve come to the wrong place. We can talk about how to score cheap tickets, hitchhike, where to get the best beer (or brew one yourself) and have the time of your life. But please do not expect a travel guide. We fucking hate that. We are not tourists and if you are, don’t bother reading any further. You will probably be pissed at us, even offended, and no one wants that. This is a place for travelers, for drinkers and eaters and the like. We will couchsurf for most, if not all, of the time. Although we love history, we will avoid touristy stuff. When traveling, we look for the people instead of the places. A foreign country is not foreign without its people, its culture. And let’s be honest here, you do not get to know anywhere in a one week vacation staying at a hotel and going to the safest, closest Irish pub you can find. In my opinion, run away from such a place as fast as you can, unless you are in Ireland, where it makes total sense.

Our year started with a big change. We left our little place in Denver and are visiting with our family for a few weeks before we start our new adventure. It’s not the first time for either of us to pack and leave. And as many times before, we leave without a set plan and do not have a place to return to. Our few belongings are scattered around in Brazil, USA, Hungary and France, with extremely nice friends and family (and friends that are family) who have so kindly agreed to store them.

The inevitable adrenaline rush kicks in and we can feel it in the air. We can almost touch it. This time we are heading to a continent neither of us have been to before. We fly from New York City to Hanoi, Vietnam. Asia (and Southeast Asia) is the inconnu and we cannot wait to drink it and eat it.

We don’t believe in the next life, so we make the best out of the one we’ve got.

Cheers,

Cerviajantes

%d blogueiros gostam disto: